Categoria: Textos

Por alguém que não te faça se sentir diminuída, iludida ou esquecida.

  • Categorias: Comportamento, Relacionamentos, Textos
  • 21 set

    foto-renata-castilho

    Clique: Sabrina Brun

    Desde que embarquei nesta jornada chamada: amor próprio, e aprender a me valorizar como humana e mulher, comecei a perceber as dificuldades que se encontram pelo caminho. Uma dessas é dizer não a tudo que não for um “com certeza!“. Deixe-me explicar, há muita gente dividida na vida, com incertezas e dúvidas. Que te deixam na isca para não perder algo “certo” e na mesma hora se algo “melhor” aparecer, somem. E, tenho dito, em questão de relacionamento, ninguém deve se sentir como a dúvida de alguém.

    Veja também: Vídeo| Ele é inconsistente

    Amor é algo tão maravilhoso, que deve sempre ter o lado bom prevalecendo o ruim. Então dizer adeus para quem está te segurando com promessas de boca pra fora ou que não te leva pra frente (caso você queira algo a mais), é necessário dar esse passo por você mesma. Se distanciar de quem não se esforça o suficiente por você.

    “Ai, renata, mas ele é super querido quando estamos juntos” ou “ele só fala algumas coisas maldosas, mas…”

    É nesse momento que você tem que saber o que você quer. Por isso que antes de um relacionamento é fundamental você já ter se auto descoberto. Quando você sabe o que tolera e aquilo que não aceita de maneira alguma, as coisas ficam mais claras. Nem sempre mais fáceis, tenho que admitir. Mas é aí que seu primeiro passo é dado.

    As incertezas virão, mas mesmo gostando muito da companhia de alguém, você sabe que isso já não basta. Ou basta. E, amigos, não tem nada melhor que saber decifrar seu coraçãozinho, saber que as carências gostam de mascarar supostos sentimentos e acima de tudo saber que você é merecedora de algo incrível e não algo mais ou menos.

    Desabafo: a vida e o blog

  • Categorias: Pessoal, Textos
  • 20 jul

    blogueira

    Oi, tudo bem com vocês? Faz muito tempo que quero fazer isso daqui, preciso e sinto que estou prestes a explodir se não conversar com vocês. Estive procrastinando. Inicialmente o motivo pela minha ausência aqui no blog e em posts se deu por falta de tempo (correria de final de semestre, provas, viagem) mas depois se tornou num peso extremo conseguir postar mesmo tendo tempo.

    Tive um Bloqueio Criativo, ou seja, perdi minha facilidade de criar posts, encontrar inspiração não é o problema –meio contraditório, sim sim–, tenho muitas e muitas ideias mas quando chega na hora de executar eu simplesmente não sei por onde começar. Na realidade isso já acontece desde o ano passado, mas agora é que o negócio desandou mesmo.

    Desde que comecei a focar mais nos vídeos –não me entendam errado, amo demaaaais fazer vídeos– deixei os posts um pouco de lado. Não sei, mas não me sinto completa sem postar no blog, ele é meu bebê e foi o começo de tudo.

    E tem sido cada vez mais difícil voltar a postar com frequência, portanto vou estabelecer metas e colocar um objetivo semanal de 1 ou 2 posts exclusivos e outros mais leves –make do dia, etc.–. Quero muito saber a opinião de vocês e suas ideias, por isso fiz o post! Logo pretendo pegar estágio e quero dar uma organizada nisso tudo.

    Então por favor deixe seu comentário e sua opinião. Vai fazer muita diferença e ficarei muito grata! Estou animada para essa nova fase e com muitas ideias. Um beijo no <3 e até a próxima. :)

    Você foi a melhor coisa que nunca me aconteceu

  • Categorias: Relacionamentos, Textos
  • 17 maio

    pequena-pinup

    Oi, lembra de mim? Estive aqui pensando sobre os últimos anos e tomei consciência de alguns detalhes, bem, não foram exatamente detalhes. Mas como tudo mudou. Lembro de mim mesma na época em que você me marcou. E não posso deixar de dizer que você foi a melhor coisa que não aconteceu.

    É, eu e você, melhor coisa de não ter dado certo. Me sinto até atrevida em colocar o “eu” e “você” na mesma frase. Mas daí penso, quem disse que não deu? Te dou os créditos. Imagine se tivéssemos ido por mim? Eu, toda impulsiva e em busca de um romance inexistente, feito só por mim. Um namoro, unilateral, implorando para sair do ideal e vir pro real.

    Todos temos defeitos, apesar de todo o “clichêsismo” por trás dessa frase, é totalmente verdade. Eu admito meu fracasso na época em me expressar, nem se fala no meu amor próprio que nem tinha apreendido a engatinhar. Hoje, sentindo a clareza que só uma mente tranquila pode fornecer, te garanto que fizemos o melhor em ficar distantes.

    Esse tempo todo me fez resolver toda aquela minha bagunça. Hoje não te culpo por tudo, sei que você, como eu, também tem defeitos. Mas tem coisa que nunca foi feita para dar certo. Tem gente que não é feita pra ficar. É feita para fazer a gente refletir e melhorar. E, meu amigo, hoje posso te afirmar, você foi a melhor coisa que nunca me aconteceu.

    De mulher pra mulher

  • Categorias: Textos
  • 30 mar

    pequena-pinup

    clique & edição: Sabrina brun

    Às vezes eu me lembro de quão mulher eu sou, de quão única e inteiramente única sou. Não que a peculiaridade faça parte somente das minhas particularidades, mas que essa é tão minha, tão somente minha. Meu conjuntinho de manhas. É engraçado de pensar que já quis ser outra, já desejei  estar do outro lado do muro, onde a grama é de brilho esmeralda. Mas seria de mim uma tola, por me limitar a aparências e a um único sentido, a visão.

    Pra ser sincera é uma tremenda perca de tempo. Desejos em vão.

    Sem falar no gasto. O gasto, gasto de tudo, de segurança, confiança em si, respeito, vontade, paz. E de pensar que tudo isso são valores, valores que cada um colocou como prioridade. Ser bonita é mais importante, dizem. Mas é aí que está, para ser mulher, você não precisa de beleza externa. Ser mulher vai muito além disso tudo, e quando uma se desgasta pensando em ser menos por ter “menos”, o universo que criou esse ser tão único, sente.

    Sente pela falta de visão. Sente por ter tanta gente que confunde a importância das coisas. Sente por não poder abrir os olhos daqueles que não conseguem ultrapassar as barreiras dos padrões estereotipados.

    Ah, mal sabem essas mulheres o poder que há dentro delas. Esse poder que já é de nascença, é de título, é um direito personalíssimo (somente seu) e intransferível. Basta aclamá-lo e aceitá-lo.

    O universo implora e chora por mulheres de poder. Que reconhecem seu potencial e sabem que a única que pode dar sentido ao destino são elas mesmas. É tudo uma escolha. Então, você é uma delas?

    Como aprendi a me amar?

  • Categorias: Pessoal, Textos
  • 19 fev

    pequena-pinup

    Olá, pinups! Hoje estou aqui para contar um pouco sobre como aprendi a me amar. O projeto é de iniciativa de vários blogs (Carolice e Agridoce Cereja) e como eu amo projetos e ainda mais os do tipo “crescimento pessoal”, não pude ficar por fora. O nome é Me amo assim, e terá postagens mensais falando sobre temas relacionados ao amor próprio. Achei muito bacana pelo fato de poder focar minha atenção nessa área da minha vida e poder ver meu crescimento durante os próximos meses.

    Minha história

    Amor próprio não é algo que vem naturalmente, isso lhes digo. Mas desde que aprendi que a minha felicidade dependia de mim e somente de mim, percebi que o amor próprio era um item necessário para conquistá-la. Não é algo que tenho como concreto, depois de muito tempo descobri que essa “arte” de se amar é conquistado aos poucos, diariamente, em escolhas e pensamentos positivos.

    Comecei a pensar nisso como fundamental na minha vida após passar por momentos muito ruins e desafiadores, que me fizeram acordar para a vida. É incrível como os problemas nos tornam humanos, e que a partir disso você tem a opção de desistir ou lutar contra pensamentos destrutivos, seja sobre seu corpo, auto estima, confiança em si, felicidade, etc.

    Hoje em dia consigo olhar para trás, ver o quanto progredi, e observar o quanto tenho pela frente! Admito que fico animada, como dica para vocês não se desanimarem, nessa jornada, é olhar para frente. Sonhar e acreditar em uma futura você, melhor, mais interessante, confiante e incrível. O desânimo chega às vezes, e a auto estima escorrega em dias nublados, mas é uma questão de motivação.

    Pessoas confiantes não nascem assim, elas se transformam por causa das circunstâncias da vida. E, na maioria das vezes no início eram super inseguras, mas tomaram a decisão de mudar. Quando eu era menor, lá nos meados da pré-adolescência, as coisas me atingiam muito. Comentários sobre minhas olheiras, palidez, e outros, me deixavam muito pra baixo. Com o tempo fui me fechando e criando barreiras, ao invés de enfrentar a batalha de frente e perceber que não era sobre mudar quem eu era e sim a minha mentalidade em relação a quem me criticava.

    renata-castilho-me-amo-assim

    Hoje em dia, e em especial por estar mais exposta na internet, penso um pouco diferente. Consigo discernir as coisas e sentir compaixão de pessoas que criticam de modo maldoso para me atingir. Penso em como eu e a pessoa somos humanos falhos e que esta pode ter um problema familiar, emocional ou psicológico e nem percebe. Afinal, para rebaixar alguém é porquê algo tá errado, como diz aquele ditado “gente feliz não incomoda”.

    Em relação ao meu corpo, eu sempre fui mais tímida. Me desenvolvi um pouco antes das meninas da minha idade e de modo rápido, mas em contrapartida parou rápido também. Pela velocidade e genética, ganhei estrias em toda parte, mesmo sendo tudo pequeno. haha Além de outras coisas que me deixavam envergonhada, como alergia nos braços, manchas, e a minha barriguinha que sempre me incomodou.

    É engraçado como desde que eu tinha 10 anos até meus 16 sempre tentei e quis ter um corpo perfeito. Planejei muito fazer mil e uma plásticas e me deixar “impecável”. Hoje vejo que a necessidade da perfeição é absurda e consigo tranquilamente me aceitar e não me importar com muito além da minha saúde. Gosto do meu corpo e estou aprendendo a gostar mais a cada dia. Ter peitos pequenos, um nariz um pouco torto, ser pálida, ter pelos escuros, e não me importar, é minha “luta”.

    Eu não me limito a dizer que não irei mudar, mas quero estar contente com o que vejo, da mesma forma. Até hoje me sinto um pouco constrangida em sair só de biquíni, a primeira vez, depois da infância, que fui para a piscina só de biquíni aconteceu uns 3 anos atrás, e me senti horrível saindo e obrigando as pessoas a me olharem. Eu tenho plena consciência de que não sou gorda, mas sempre me senti a gordinha, a “não-magra”. E só agora, umas 2 semanas passadas que tive a coragem de tirar meu shorts e ficar só de biquíni para ir na piscina de uma amiga, só estávamos em 3 meninas -ok, meio que não conta-. Mas meu objetivo é estar de bíquini e não ficar pensando nas minhas imperfeições. Conseguir manter o olhar confiante. haha

    Hoje em dia já consigo olhar meu corpo no espelho e me sentir bonita, realmente bonita, independente de estar um pouco inchada, gordinha, ou magra. Mas sinto que faltam alguns passos. E, para quem está querendo aceitar o corpo, fica a dica que uma amiga minha me deu: olhe seu corpo sem roupa diariamente no espelho, e se acostume com quem você é, perca o medo e a vergonha e comece e ver suas qualidades e os motivos que te tornam única!

    Um beijo e até a próxima! :)

    E vocês, já conquistaram o amor próprio? Quero saber nos comentários!

    Página 2 de 512345